Menu

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Ushuaia - Trem do Fim do Mundo e o Parque Nacional Tierra del Fuego


E no fim do mundo tem um trem... Hoje, um trenzinho revitalizado, que leva turistas por um percurso curto, de uns 7 km até o Parque Nacional da Terra do Fogo.





No passado esse trem servia de transporte para os presos do Presídio de Ushuaia, até o Monte Susana, onde faziam mineração de pedras e cortavam madeira para construção. Aliás, essa ferrovia foi feita por esses presos.


O trenzinho a vapor parte da Estação del Fin del Mundo (são 3 locomotivas) devagar, para que você possa admirar a paisagem... E que paisagem! No percurso vamos ouvindo uma gravação que conta a história do Trem dos Presos como era conhecido no passado.


Ficamos sabendo, por exemplo, que os presos tinham que cortar as árvores para a passagem da ferrovia e para abastecer a cidade de lenha, e no caminho vamos vendo os tocos que sobraram, mas fico pensando porque uns são mais rente ao chão outros são mais no meio do tronco? Os troncos mais rentes ao chão foram cortados no verão, os demais, foram cortados no inverno, quando a camada de neve era alta, então eles tinham que cortar onde fosse possível... e você consegue imaginar que a vida daqueles homens, não deveria ser fácil. Era um trabalho duro, mas mesmo assim eles se candidatavam para isso, só para poder sair do cárcere, que praticamente nem tinha janelas.



O trem vai margeando o rio Pipo, nome dado a um dos presos que tentou fugir e foi encontrado morto em suas margens.


A primeira parada é na Estação de La Macarena, aqui ficamos uns 15 minutos para subir até uma cachoeira, o lugar é bonito, mas eu preferi observar o vale. Há também uma reconstrução de habitações típicas de povos antigos que ali viveram, os Yámanas.




Voltamos para o trem e partimos em direção ao Parque. Na estação final, o visitante que não foi com uma empresa, pode pegar o trem de volta, mas no meu caso, contratamos os serviços de guia, então fomo até o ônibus que estava esperando, para continuar o passeio pelo parque nacional.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Fazendo as malas... Como organizar a bagunça?


Ah que delícia: as férias estão marcadas, o roteiro definido, passagens e hotel comprados, o seguro viagem, vacinas tomadas, tudo certinho e na maior empolgação... mas, dois dias antes da partida um frio na barriga começa a aparecer: fazer as malas!

Você é assim? Muitas pessoas tem verdadeiro horror a arrumar as malas, se pudessem contratavam um personal arrumador de malas pra não ter que passar por isso...

Mas fique tranquilo! Eu tenho algumas dicas que farão da etapa “fazer malas” uma parte divertida da viagem...

1 – num momento qualquer do ano, sem pressa, faça uma lista no excel de tudo que você pode querer ou precisar levar numa viagem, independente de ser para um lugar próximo ou outro país, independente de ser dois ou dez dias de viagem. Isso vai tirar da sua mente, a cada viagem que fizer, a preocupação com o que levar, se vai esquecer alguma coisa, se vai levar muita coisa. A minha é essa:


Calma! Eu não levo tudo isso em todas as viagens, mas com essa lista, sei que não vou esquecer nada, é só ticar o que quer levar e por na mala e, quando lembro de alguma coisa já incluo na lista e ela ficará sempre pronta para a próxima viagem.

Importante, nessa lista lembre-se de colocar todos os remédios que costuma usar. Se a viagem for para o Brasil, você não terá problema em comprar algo na farmácia, mas no exterior, você pode não vai conseguir comprar o remédio que está acostumado. Ah, leve sempre na sua bagagem de mão os remédios de uso contínuo e deixe na mala os que você está levando como precaução.

2 – duas semanas antes de viajar, com a lista em mãos, veja se precisa comprar alguma coisa como shampoo, remédios, ou alguma peça de roupa imprescindível;

3 – na semana de viajar, confira no site da empresa aérea, qual o peso e tamanho máximos das malas que você pode carregar. Lembre-se de consultar também os voos internos nos países que você vai visitar. Brasileiros tem alguma vantagem na maioria das empresas aéreas, podendo levar 2 malas de 23 kg, mas, às vezes, num voo interno em uma pequena empresa europeia, você não poderá levar mais do que uma mala de 15 kg. Se você for fazer algum voo interno na Europa com companhias low-cost, o tamanho da bagagem diminui muito. Fique atento, ok?

4 – alguns dias antes da viagem comece a organizar as coisas, separar os eletrônicos, carregadores; separar os produtos de higiene pessoal; comece a separar as roupas;

5 – bem, agora é hora de arrumar a mala de verdade:

- para facilitar, eu costumo colocar as roupas meio separadas na mala, para isso, utilizo umas bolsinhas próprias como essas da foto (comprei algumas na internet), mas o que eu gosto mesmo são as embalagens de jogos de lençol e de toalhas de banho, sabe aqueles de plástico transparente com zíper e tudo? Pois é, são excelentes para organizar as roupas nas malas e evitar que amassem muito ou se percam na bagunça, principalmente roupas íntimas, que são pequenas, coloque-as nessas embalagens, facilita muito;




- essas bolsinhas ajudam a organizar a roupa na mala, olha como ficam arrumadinhas? As maiores eu uso para camisetas e camisas, as menores para roupas menores e acessórios;


- uso uma delas para os remédios e uma para os produtos de higiene e outra para os carregadores (essa eu levo na bagagem de mão); quando chego ao hotel, é só tirar essas bolsinhas e levar para o banheiro ou para o armário, simples; Ah, e cremes e shampoos, eu coloco em saquinhos tipo zip, para o caso de vazarem.



- para os sapatos e chinelos, uso as embalagens que algumas lojas envolvem os sapatos na hora da venda... Ficam bem acomodados e protegidos




Vou organizando a mala tentando encaixar tudo o melhor possível. Primeiro as blusas que não vou usar muito, como por exemplo, uma malha para frio, depois as calças jeans, depois as bolsinhas, e por último os casacos mais pesados, caso vá para algum lugar frio. Nos espaços que sobram, encaixo sombrinhas, algum acessório ou uma peça a mais que deixei de lado para o caso de não caber na mala.






Quando chegar ao hotel, é só separar essas embalagens e você não vai se perder para encontrar a roupa que quer. 

Na hora da volta, use-os também, coloque as roupas que não sujaram todas numa mesma bolsa, as roupas íntimas usadas em outra e assim, você terá uma mala com um pouco de espaço para colocar as lembranças que você comprou durante a viagem.

Dicas gerais...

- após terminado a arrumação, se achar que passou do peso, pese a mala, para não pagar por excesso de bagagem no aeroporto, uma balança de mão é ideal para isso;

- não se esqueça de colocar um cadeado na mala, deixe-a sempre trancada por questões de segurança;

- coloque uma etiqueta de identificação com seu nome, celular e/ou e-mail, caso a mala seja extraviada, isso facilita a devolução;


- ainda pensando num possível extravio da mala, eu costumo tirar fotos delas depois de fechadas, toda a informação que você dispor na hora de identificar sua mala perdida vai ajudar e se você estiver num aeroporto estrangeiro, uma foto pode fazer a diferença.




E aí, gostaram? Espero que essas dicas ajudem a "perder o medo" de fazer as malas!

Boa Viagem!


terça-feira, 19 de abril de 2016

Vacinas obrigatórias para viajantes



Para viajar com segurança, não basta somente ter reservado bons hotéis e voos.  É preciso também conhecer sobre o país que você está indo, não só sobre os atrativos turísticos, mas também de saúde. Principalmente se você for para países tropicais, com florestas ou se vai ter muito contato com a natureza, deve ficar atento a estas questões.

Muitos países do mundo exigem que o turista esteja imunizado contra algumas doenças, como a febre amarela por exemplo. Podem exigir, na passagem pela imigração, que você apresente a Carteira Internacional de Vacinação.

Alguns países não exigem o certificado internacional, mas possuem focos de febre amarela então, não custa você se prevenir e tomar as vacinas para sua própria segurança não é mesmo?

Mesmo para quem vai viajar para o norte do Brasil, precisa se preocupar com isso e deveria tomar esses cuidados.

Você pode tomar a vacina de febre amarela no posto de saúde e ela terá validade para 10 anos. Para tirar o certificado internacional, você precisará ir a um posto do Centro de Vigilância Epidemiológica munido de documento com foto e do comprovante de vacinação válido emitido por um posto de saúde público ou privado onde conste o número completo de lote da vacina, data legível e carimbo com identificação do posto e assinatura do vacinador. No link abaixo, você terá a lista de postos do CVE em São Paulo e no site da ANVISA, você pode ter mais informações sobre o assunto, não deixe de consultar.


Outras vacinas que podem ser importantes, dependendo do lugar que você for visitar são: difteria, hepatite, febre tifoide, meningite; antes de viajar, procure se informar sobre o país de destino.

Lembre-se que para fazer efeito, as vacinas devem ser tomadas pelo menos 10 dias antes da viagem.





Fontes:
http://www.cve.saude.sp.gov.br/

http://www.anvisa.gov.br/viajante/

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Petiscos pelo mundo... (Parte III)


Continuando essa série de posts sobre comidinhas pelo mundo...

Argentina

- carnes: temos que dar a mão à palmatória, as carnes argentinas são muito boas.


- alfajor: um doce típico encontrado em qualquer mercado. Há uma grande quantidade de marcas, desde as mais caras até as bem baratinhas. Já comprei marcas caras que não foram tão boas. Eu gosto muito de uma marca bem baratinha chamada Jorgito, o preço é quase ridículo, mas o alfajor glaceado é realmente uma delícia, boa textura, bom doce de leite e vem num pacote com 6 unidades, excelente para trazer para a família. Os alfajores com cobertura de chocolate eu recomendo ficar atento à seguinte informação na embalagem: “coberto por reposteria”, o que significa que não é chocolate ao leite, mas o hidrogenado e não é tão gostoso, então fique atento.



- doce de leite: é muito comum no café da manhã, ter doce de leite, nas sobremesas em restaurantes etc. O doce de leite argentino é muito bom porque não é exageradamente doce. Eu gosto muito de um em tablete chamado Vauquita, que não é muito caro, mas só encontramos em lojas nos aeroportos.


 - vinhos: os vinhos argentinos são de muito boa qualidade, mas não são tão baratos quanto os vinhos na Itália. Vale a pena comprar algumas garrafas nos supermercados e levar para degustar no hotel. Leve sempre um saca-rolhas na bagagem hehehe.

- empanadas: uma espécie de pastel assado, com recheios variados, mas o mais comum é o de carne. Uma delícia, comeria todos os dias. E o melhor, são baratas e valem por uma refeição!



Peru

- Ceviche: o ceviche é um prato muito encontrado no Peru e em outros países sul americanos. É feito com peixe curtido no limão, com cebolas, tomates. Eu não experimentei, porque não gosto de peixe cru, mas para quem gosta, dizem que é um prato muito gostoso. Dica: se for experimentar, prefira comer no almoço, quando os peixes estão mais frescos nos restaurantes (recebemos essa dica de um garçom local)

- batatas e milho: o Peru tem uma variedade enorme de batatas e milhos. Experimente pratos com variedades diferentes;


- lomo salteado: pra alguém como eu que não gosta de arriscar muito na alimentação, os filés a la plancha ou os lomos salteados são uma excelente opção, são gostosos, e bem temperados, geralmente acompanhados de batata ou arroz;


- pudim três leches: não sei se é uma sobremesa típica de lá, mas foi em Lima que eu comi os melhores Tres Leches da minha vida. É um pudim geralmente feito com leite, leite condensado e creme de leite (no Brasil, já vi opções com leite de coco);

- carne de alpaca ou de cuy: pra quem quer arriscar um pouco, experimente a alpaca ou o cuy (porquinho da índia), pratos muito comuns nos restaurantes peruanos. Eu experimentei a alpaca e gostei.

- Inka Kola: segundo os peruanos, o Peru é o único país onde um refrigerante local vende mais que a Coca cola: o Inka Cola. É um refrigerante amarelo brilhante, encontrado em todos os lugares.


Chile

- Pescados: pratos com peixe e frutos do mar são muito comuns nos restaurantes chilenos e vale conferir.

- Vinhos: os vinhos chilenos estão entre os melhores do mundo, e é possível visitar muitas vinícolas próximas à Santiago.



- Empanadas chilenas: dizem que rivalizam com as argentinas, eu não sei não, mas são boas.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Compras fora do país: é possível restituir os impostos?

(Este post não é patrocinado, é apenas a descrição dos conhecimentos desta blogueira amadora sobre o assuntos. Espero ajudar!)

Nós brasileiros já somos sufocados por uma quantidade inimaginável de impostos não é? Pagamos impostos para tudo!

E quando viajamos, pagamos os impostos dos países de destino que já vem embutido nos preços e nem mesmo vamos usufruir de algum benefício social que esse imposto possa gerar. Bem, faz parte da viagem né?

Mas você sabia que em alguns países você pode restituir parte do imposto pago?

Assim como os brasileiros, os cidadãos de outros países também pagam seus impostos sobre os bens de consumo, numa alíquota que varia de país para país. A boa notícia é que o não residente desses países pode receber de volta parte dos impostos pagos na compra de produtos.

Como assim?

Alguns países da Europa, e mesmo a Argentina e o Uruguai na América do Sul, possuem programas de devolução de taxas para não residentes. As lojas não são obrigadas a participar, portanto, isso pode ser um diferencial entre elas. Procure pelos adesivos de Tax Free ou das empresas intermediadoras, como a Global Blue ou a Premier Tax Free.

O imposto devolvido é o IVA (Imposto de Valor Agregado), que varia de país para país e não vai esperando que a coisa seja simples, afinal estão devolvendo um imposto, então espere muita burocracia.

Estão incluídos na devolução das taxas, produtos de consumo como roupas, eletrônicos, calçados. Não estão incluídos automóveis, serviços hoteleiros, perfumaria que você já estiver usando, joias.

A loja pode estabelecer um valor de gasto mínimo para devolução das taxas, então fique atento.

O benefício é válido apenas para turistas, ou seja, você deverá ficar menos de três meses no país e deverá apresentar o passaporte na loja para comprovar essa situação.

O que fazer na loja?

- verifique se a loja faz parte do programa e qual a forma de devolução da taxa (em dinheiro ou cartão);

- você deverá solicitar o formulário para preencher (ou apresentar o cartão da Global Blue, que explicarei mais adiante);

- a loja vai solicitar seu passaporte para verificação da sua situação de turista.

O que fazer no aeroporto?

No último aeroporto, naquele que você pegará o voo de volta para o Brasil:

- chegue com bastante antecedência, pois o processo pode ser demorado;

- faça todo o processo antes do check-in, porque você poderá ter que mostrar os produtos;

- dirija-se a um balcão da alfândega para essa finalidade; nele você apresentará os formulários preenchidos nas lojas, as notas fiscais ou recibos e talvez os produtos; os formulários serão carimbados;

- com esse carimbo, dirija-se ao balcão da empresa intermediadora (Global Blue, Premier Tax Free, ou outra);

- lá você entregará a documentação e, caso a devolução seja feita em dinheiro, o receberá na hora; se a devolução for feita no seu cartão de crédito, esse será feito em até 4 semanas;

- a devolução é o valor do IVA menos a taxa de serviços da empresa, ok? Mas, como o euro está bastante alto, vale a pena restituir qualquer valor não é?

A Global Blue

Eu fiz o cartão da Global Blue, e tenho que ser honesta, nunca o usei. Mas o levo comigo quando viajo.

No site da empresa, você vai ter todas as informações necessárias sobre como utilizar esses serviços, inclusive há uma calculadora para você ter uma ideia do quanto poderá restituir.

Quanto ao cartão que citei anteriormente, no site você pode fazer um registro com alguns dados pessoais e você receberá gratuitamente em sua casa, poucas semanas depois o seu cartão pessoal, que promete facilitar sua vida.

A Global Blue também atua na Argentina e no Uruguai, com as seguintes condições (informações do site):

Argentina: devolução de 21% de IVA e mínimo de compra de 70 pesos argentinos;

Uruguai: devolução de 22% de IVA e mínimo de compra de 500 pesos uruguaios.

Eu ainda não usei esse serviço, mas pretendo usá-lo. Se você já usou, o que achou, foi um bom serviço? Valeu a pena? Conte-nos suas experiências!

Fonte:

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Ushuaia - Tour marítimo


Na praça próxima ao porto de Ushuaia você vai encontrar várias tendas com agências para passeios de barco. Cada uma te levará para uma ilha ou um percurso um pouco diferente.
Nós escolhemos a agência Três Marias, que fazia um tour de três horas, pelo Canal de Beagle e tinha uma parada para caminhada em uma ilha, chamada Ilha H, onde avistaríamos cormorões.






Esse dia estava muito frio, um vento cortante! Saímos do porto por volta das 9 horas, passando próximo às ilhas repletas de aves marinhas e de leões marinhos fofos. Chegamos até o Farol de Les Eclaireurs, que sinaliza para os navios em navegação no canal.










De lá, paramos na Ilha H e fizemos uma caminhada de uns 40 minutos. Essa ilha é o ponto mais austral da Argentina, chegamos ao limite do país. Caminhamos observando a paisagem, vegetação, sítios arqueológicos (muitos sambaquis) e as aves. A beleza da paisagem é imensa, dá vontade de parar e ficar um tempo só olhando...