Menu

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Guia de Portugal


O que importa é viajar para... Portugal (O que importa é viajar! Livro 1) por [Camolez, Cristina]


As belas cidades de Portugal ficam mais legais quando conhecemos um pouquinho sobre elas antes de visitá-las... conheça o primeiro guia d'O que importa é viajar!, um guia com dicas, fotos e curiosidades para você aproveitar ao máximo sua viagem!


https://www.amazon.com.br/importa-viajar-para-Portugal-Livro-ebook/dp/B07NTPYRNB/ref=sr_1_fkmrnull_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=o+que+importa+e+viajar&qid=1556742848&s=gateway&sr=8-1-fkmrnull&fbclid=IwAR0c5ftlNG7Z_ld5mSwOydNOb1vXG-xZ8ZgWLOIe8McOu_4HMAtHU2q-2Bo

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Humahuaca


Humahuaca

Saímos de Salta pela manhã, a caminho de Humahuaca. O percurso é muito bonito, pois passamos praticamente por toda a Quebrada de Humahuaca (quebrada na Argentina, são vales profundos), lugar de grande beleza com montanhas e formações coloridas. Aquelas cores são provenientes dos diversos minérios e minerais encontrados, que, por passarem por diferentes processos de intemperismo, apresentam cores distintas.




A primeira parada foi para um café e um lanchinho, numa loja de beira de estrada toda colorida, que era lindinha, com duas lhamas imensas esculpidas, e decoração típica.



Por todo o lado que olhamos, cores e paisagens de encher os olhos. No percurso é possível acompanhar todas as diferenças nas paisagens: mais úmida e com vegetação verde abundante próximo a Salta, mais árida conforme vamos para altitudes mais elevadas, onde se destaca um cacto, o Cardon.

Os cardones são cactos encontrados entre mil e 3 mil metros de altitude aproximadamente e são protegidos por lei, pois quase chegaram a extinção.


A Quebrada de Humahuaca foi declarada patrimônio da Humanidade em 2003 pela Unesco e isso protegeu a região, pois impede a mineração. Pelo que os guias nos disseram, as comunidades tradicionais locais também são bastante unidas e lutam para preservar tanto o ambiente quanto sua cultura.



Por séculos essa região de aproximadamente 155 km de extensão serviu como caminho para os povos andinos entre o sul da Argentina e o Peru que deixaram marcas por todo o percurso, que são descobertas e estudadas até os dias atuais.

No caminho entre Salta e Humahuaca, há vários locais para visitar. Neste dia paramos também no vilarejo de Purmamarca, mas esse lugar, com seu cerro de los siete colores merece um destaque maior em outro post exclusivo.

Maimara:

O vilarejo de Maimara fica junto à Ruta 9. A principal atração do lugar é a paisagem, um verdadeiro cartão postal, obra de arte da natureza que não poderia ter outro nome senão Paleta do Pintor: uma montanha colorida que parece uma pintura abstrata.



Do mirante junto a estrada, é possível admirar toda a montanha e suas cores. Nosso guia tentou nos fazer identificar a figura de um golfinho entre as cores, vale usar a imaginação... eu por exemplo, além do golfinho, encontrei também um cachorro, mas só eu consegui enxerga-lo.  
Mas, se você não conseguir ver o cachorro estilizado na montanha, com certeza verá pessoalmente, durante nossa parada, fomos acompanhados por três simpáticos cachorros locais.




Junto a essa paisagem linda, há um cemitério, que deve ser o que tem a melhor vista do mundo.

Os povos andinos costumavam enterrar seus mortos em locais altos e esse costume permanece até hoje nesta região ao menos. Pelo caminho, vimos vários desses cemitérios.







Tilcara e a Pucará de Tilcara

Tilcara é uma pequena cidade com aproximadamente 6 mil habitantes.

Encontra-se há 2400 m acima do nível domar e possui clima seco e frio, com vegetação adaptada a essas condições (basicamente cactáceas e xerófilas).



No início do século XX, pesquisadores encontraram ruinas provavelmente do século XII; após escavações e com as descobertas de artefatos e de vias de acesso, áreas cerimoniais, casas e perceberam que se tratava de um povoado ou uma Pulcara, que significa fortaleza na língua quéchua. Essas ruinas foram parcialmente reconstruídas e hoje podem ser visitadas.








Na área mais elevada deste sítio foi construída uma pirâmide em homenagem aos primeiros pesquisadores que descobriram o local. A ideia pode ter sido boa, mas a construção não tem nada a ver com a arquitetura da Pulcara original e gerou bastante polêmica, principalmente entre as comunidades locais.






Percorrendo as ruas e entrando nas casas de pedra, é possível ter a real ideia de como era o dia a dia da população local; olhando aquela paisagem, eu ficava imaginando em alguns momentos como seria aquele lugar há alguns séculos atrás, sem luz, sem veículos, sem tanto barulho... Devia ser lindo!


Junto à entrada do sítio arqueológico, há um pequeno jardim botânico com diferentes espécies de cactos e que vale a pena ser visitado.





A entrada ao sítio arqueológico custa 300 pesos para adultos não residentes.

Humahuaca

A parada final deste trajeto, onde almoçamos, foi a cidade de Humahuaca, ao norte de Salta e da Quebrada que leva seu nome; o povoado teve sua origem em assentamentos indígenas.





O centro da cidade possui ainda aspectos rústicos, com ruas em pedra, muitas lojas de artesanato, prédios históricos como o cabildo e monumentos em homenagem a personagens que fizeram parte da história local. É uma cidade simples, mas pitoresca, daquelas que são gostosas de conhecer. O guia local nos disse que o carnaval de lá é muito animado e a cidade recebe muitos turistas durante a festa.






Consulte nosso roteiro em https://goo.gl/maps/1TXr4cdB2Q82

Outras informações:
http://www.turismo.jujuy.gov.ar/ Acesso em fevereiro/19
https://www.wmf.org/project/pucar%C3%A1-de-tilcara Acesso em fevereiro/19


O que fazer na cidade de Salta?


O que fazer na cidade de Salta?

Noite Salteña

A cidade de Salta é vibrante, com muitos restaurantes, museus, praças. O argentino tem fama de boêmio e em Salta não é diferente, o movimento começa pra valer depois das 21 horas.







A Rua Balcarce concentra bares, restaurantes e as “Peñas” (restaurantes com música típica ao vivo) para todos os gostos (com shows mais voltados para turistas ou mais populares, onde os salteños se divertem) e bolsos.

Nós fomos ao Nora Julia (essa representada nesse quadro ai ao lado), assistimos a vários shows, com música e dança, jantamos muito bem, tomamos vinho e tudo isso a um preço muito acessível.


Há muitos bons restaurantes em Salta e os preços, de um modo geral, não são abusivos.

Para saborear empanadas, basta entrar em qualquer restaurante e, de um modo geral, todas as que experimentamos foram muito gostosas, acompanhadas do vinho local então, ficam ainda melhores.

Museus

Museu de Arqueologia de Alta Montanha (MAAM)

Um dos motivos pelos quais amamos viajar são as surpresas que os destinos nos faz. Em Salta tivemos uma das mais agradáveis.

Há alguns anos assisti um documentário sobre 3 crianças incas encontradas nos Andes, que se encontravam criogenizadas uma vez que foram deixados como oferendas aos deuses no topo de uma montanha há mais de 6 mil metros de altitude e sua pele e órgãos, devido ao frio e a baixa umidade mantiveram quase que intactos suas características físicas. Lembro-me de ter ficado emocionada, pois o rosto, as trancinhas dos cabelos, as mãos das crianças estavam perfeitamente preservadas e elas pareciam estar dormindo serenas e essa cena nunca me saiu da cabeça, sempre me lembrava delas e comentava sobre isso.

Bem, pesquisando o roteiro para Salta, descobri o Museu de Arqueologia de Alta Montanha (MAAM), que só pelo nome já me faria querer visita-lo. Mas, pesquisando o acervo, eis que descubro que aquelas crianças oferendas aos deuses estavam lá!!! Fiquei tão feliz e empolgada com isso!








As três crianças (de aproximadamente 6, 7 e 15 anos) foram encontradas no alto do vulcão Llullaillaco. Os Incas tinham uma proximidade grande com o ambiente que viviam e as montanhas eram sagradas e consideradas santuários.

Junto às crianças foram encontrados centenas de objetos do dia a dia, como estatuetas, pentes, tecidos, calçados. A descoberta foi tão importante para o estudo da arqueologia Inca que foi criado um museu só para abriga-lo. O MAAM encontra-se na Plaza 9 de Júlio, num prédio antigo que foi adaptado para conter laboratórios e áreas de exposição com ambiente controlado (devido à altitude que foram encontrados, os corpos não poderiam ficar expostos em qualquer ambiente senão em um absolutamente controlado, para evitar fungos e deterioração). As crianças são expostas uma por vez, também para evitar a superexposição dos corpos e uma possível deterioração. Quando visitamos estava exposto o garoto (niño). Na área de exposição, bastante fria, é possível ver os objetos encontrados, uma coleção de pequenas estatuetas de lhamas em pedra e metal, pentes, enfeites, sandálias, tecidos. Ao final, uma das crianças a que estiver exposta naquela data, numa capsula com temperatura de aproximadamente -20°C, baixo oxigênio, controle de UV.

Não é permitido fotografar nem filmar essa parte da exposição.
(http://www.maam.gob.ar/##, acesso em fevereiro/19)

Há outras salas de exposições, mas o museu é bem pequeno.

Na saída deste museu tem ainda um restaurante muito agradável e uma loja de souvenires onde eu comprei uma lhama entalhada em madeira com um gorrinho em crochê (quem resistiria a uma lhama com gorro de crochê!!!!!), para aumentar um pouco minha pequena coleção de lhamas, tenho em pedra, em vidro, prata, cobre, sal, representando os produtos dos países que visitamos.


Detalhes do restaurante
 Museu de Ciências Naturais






Esse museu é pequenininho, mas muito legal. Fomos num domingo a tarde (abre às 15 horas) achando que só haveria nós no museu, contudo, estava lotado de pais com crianças e todos se divertindo vendo os animais ali expostos, muito bacana! Está localizado no Parque San Martin e o ingresso para turistas é de 30 pesos.









Museu Histórico do Norte (Cabildo)

Localizado na Plaza 9 de Júlio, o Cabildo é uma construção histórica do século XVII; foi sede do governo entre 1626 e 1888. Na década de 1930 foi designado como Patrimônio Histórico Nacional.





Hoje o prédio abriga o museu histórico do norte com objetos de arqueologia e principalmente, da história da região, com quadros, armamentos, mobiliário e coches.

Além da coleção de objetos, a própria construção em si vale a atenção, com seu grande pátio interno e fachada em arcos.

(https://museodelnorte.cultura.gob.ar/info/museo/)


Outros pontos de interesse

Teleférico ao Cerro San Bernardo

Localizado na Plaza San Martin, o teleférico de Salta é um daqueles passeios imperdíveis.

Vitrais coloridos enfeitam a entrada do teleférico.













Da estação, os carros sobem até o topo do Cerro San Bernardo a 1454 m de altitude, de onde se tem uma vista incrível de Salta. No topo, além da vista, cafeteria e uma feira de artesanato completam o cenário.

É um lugar agradável para caminhar e curtir um pouco a vegetação. É possível também chegar ao topo a pé, por uma estrada que circunda o morro. A vista da cidade é incrível.

O preço do Ingresso é 400 pesos.


Mercado San Miguel

Toda vez que viajamos visitamos os “mercados municipais” das cidades que visitamos. Geralmente são os locais mais populares e que representam melhor o dia a dia local. O mercado de San Miguel em Salta foi projetado em 1886 e abriga centenas de barracas e lojas com produtos locais, como frutas, carnes, artesanato local, frutas secas e também folha de coca, além de muitos restaurantes e bares (populares).






Fica aberto de segunda a sábado até às 21 horas.

A partir de Salta pode-se fazer inúmeros passeios de um dia pelos arredores (por carro ou excursões agenciadas), em uma das regiões mais bonitas da Argentina. A dramaticidade do relevo e das cores fortes em tons de amarelos, verdes, vermelhos e púrpura dos minerais que compõem aquelas montanhas da Cordilheira dos Andes, que mais lembram uma pintura, uma obra de arte, torna o passeio numa experiência única.